Falar difícil é fácil, diz Nelson Jobim em crítica ao juridiquês

A Academia Brasileira de Letras (ABL) convidou a pessoa certa para falar sobre juridiquês.

O político gaúcho Nelson Jobim, que, entre outros cargos em uma longa carreira no setor público, foi presidente do Supremo Tribunal Federal.

Jobim é um conhecido crítico do linguajar jurídico enrolado e um ferrenho defensor da clareza de expressão.

No fim da tarde de hoje, ele teve quarenta minutos para abordar o tema “O juridiquês como legado do barroquismo brasileiro”. E o fez com competência.

Nelson Jobim e o jornalista Merval Pereira no teatro da Academia Brasileira de Letras, no Rio

Sua conferência foi inteligente, polida e mordaz. E, melhor de tudo, repleta de exemplos anedóticos.

A palestra começou apresentando o momento histórico que propiciou o surgimento do linguajar floreado da justiça, durante o período barroco – daí o “barroquismo” do título.

“O estilo artístico barroco surgiu em reação ao Renascimento, que via o homem como elemento central do mundo”, afirmou Jobim.

“Como o barroco enfatizava Deus, a arte do Onipotente não poderia se dar em bases singelas”, explicou. “Daí o uso radical da linguagem mais culta e o excesso de erudição: o objetivo é transmitir potência no discurso”.

Ele contextualizou: “A ornamentação linguística sinalizaria um jurista mais preparado, pois quem se afasta se torna grande e incompreenssível”.

Nelson Jobim acredita que o formalismo da linguagem jurídica já virou piada. “Mas, ainda assim, insistimos em usar o juridiquês no Brasil”.

E enumerou exemplos estapafúrdios que abundam em textos jurídicos até hoje.

“Petição inicial transforma-se em ‘peça dilucular’. Denúncia vira ‘exordial increpatória’. A CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) passa a ser chamada de ‘digesto obreiro’. Chega a ser anedótico”, disse, acrescentando: “O juridiquês virou uma linguagem de comadre”.

Nelson Jobim resumiu o problema com uma frase digna da hashtag #prontofalei:

Comunicação sem clareza é uma forma eficaz de esconder ignorância no assunto sobre o qual se fala.

Antes de encerrar a palestra lendo um trecho do conto “Teoria do medalhão”, de Machado de Assis – patrono da ABL -, disparou a frase mais simbólica do fim de tarde.

Falar difícil é fácil. O difícil é falar fácil.

Infelizmente a conferência, que foi mediada pelo jornalista Merval Pereira, não abriu para perguntas da plateia.

Gostaria muito de ter perguntado a Nelson Jobim sua opinião sobre o aspecto trágico do juridiquês-piada.

Refiro-me à tragédia línguística cotidiana que faz milhões de pessoas perderem tempo lendo e relendo documentos incompreensíveis, prejudica a produtividade do país e acentua a desigualdade social.

No fim, cumprimentei o palestrante, ofereci-lhe um exemplar autografado do livro “Clareza em textos de e-gov, uma questão de cidadania” e pedi para tirarmos uma selfie.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s